Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/1080
Título: Trabeculectomia MSS: estudo Pentacam® do segmento anterior
Autor: Ramalho, M
Vaz, F
Pedrosa, C
Coutinho, I
Santos, C
Kaku, P
Esperancinha, F
Palavras-chave: Glaucoma
Trabeculectomia
Data: 2013
Editora: Sociedade Portuguesa de Oftalmologia
Citação: CONGRESSO PORTUGUÊS DE OFTALMOLOGIA, 56, Vilamoura, 5, 6 e 7 de Dezembro de 2013
Resumo: Objetivo: A trabeculectomia, cirurgia filtrante protegida, é a cirurgia de glaucoma mais frequentemente realizada. Não obstante os bons resultados tensionais a médio e longo prazo, podem por vezes ocorrer no pós-operatório imediato algumas complicações relacionadas com uma excessiva drenagem de humor aquoso: hipotonia, achatamento da câmara anterior (CA), atalamia e descolamento da coroideia (DC). As modificações introduzidas por Peng Khaw e colaboradores – Trabeculectomia Moorfield Safer System (MSS) – visam diminuir a sua ocorrência. Este estudo pretende estudar a estabilidade do segmento anterior, avaliada por Pentacam, em doentes submetidos a esta variante cirúrgica. Material e Métodos: Medição da pressão intraocular (PIO) e características do segmento anterior, usando Pentacam®, em 12 olhos submetidos a trabeculectomia MSS. Comparou-se o volume da CA (VCA) e profundidade da CA (PCA) medidos no 1º dia (1D), 1ª semana (1S), 2ª semana (2S) e 1º mês (1M) após cirurgia com os valores do olho adelfo. Resultados: A PIO pré-operatória foi de 31,3 ± 7,27 mmHg, de 7,6 ± 2.8 mmHg no 1D, 7,9 ± 1,6 mmHg na 1S, 11,2 ± 3,9 na 2S e de 12,2 ± 3,0 mmHg no 1M. As diferenças de VCA olho adelfo vs olho operado foram de: 18,0 ± 8,72 mm3 (11,93%) 1D, 18,71 ± 3,8 mm3 (11,44%) 1S, 8,88 ± 7,05 mm3 (6,31%) 2S e 1,2 ± 7,6 mm3 (0,74%) no 1M. As diferenças de PCA olho adelfo vs olho operado foram de: 0,17 ± 0,3 mm (6,01%) 1 D, 0,15 ± 0,17 mm (5,15%) 1S, -0,14 ± 0,18 mm (+5,31%) 2S e 0,03 ± 0,3 mm (0,74%) no 1M. Registamos 1 caso de DC (8,3%) pequeno e localizado que regrediu espontaneamente na 1S, e dois casos de hifema (16,6%) de pequena dimensão nos primeiros dias operatórios. Conclusão: Concluimos assim que as modificações introduzidas na trabeculectomia MSS (esclerotomia com punch, infusão contínua da CA durante a cirurgia, suturas ajustáveis/removíveis) estão associadas a poucas flutuações do segmento anterior (volume de CA 0,74-11,93% e profundidade de CA 1,11-6,01%), contribuindo para aumentar o perfil de segurança da trabeculectomia.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/1080
Aparece nas colecções:OFT - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Apresentação MSS.pdf1,98 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.