Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/1155
Título: Os profissionais da saúde e a doação/transplante
Autor: Gomes, A
Domingues, A
Fernandes, A
Palavras-chave: Transplante de orgãos
Colheita de tecidos e orgãos
Portugal
Data: 2013
Editora: Gabinete Coordenador de Colheita e Transplantação do Hospital S. José, Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE
Citação: JORNADAS DE COLHEITA DE ORGÃOS E TRANSPLANTAÇÃO EM PORTUGAL, 2, Lisboa, 24 e 25 de Outubro de 2013
Resumo: Introdução: A formação sobre os temas de doação e transplante é reconhecidamente decisiva para que os profissionais de saúde participem e se sintam integrados nestas actividades. Para que a formação seja adequada às características e expectativas dos profissionais alvo, é importante conhecer a realidade de cada hospital e avaliar o impacto das formações decorridas. Nesse sentido, a CHD do HFF levou a efeito um inquérito entre os médicos e enfermeiros, cujos resultados são avaliados no presente trabalho. Metodologia: A uma população de 532 médicos e 752 enfermeiros, foi solicitado o preenchimento de um inquérito com os seguintes objectivos: caracterizar a população de profissionais de saúde, avaliar formação prévia e grau de importância atribuídos às actividades de doação e transplante enquanto profissionais de saúde e grau de conhecimento acerca dos elementos e da actividade da CHD. Resultados: Maior participação no inquérito pelos enfermeiros (67.6% vs 30.4%), franco predomínio de profissionais do sexo feminino (70.7% vs 29.3%), dos grupos etários mais jovens (46.8% com menos de 30 anos) e com menor tempo de exercício profissional (38.4% com menos de 5 anos). Menos formação prévia para os enfermeiros (21.1% vs 30.8%); a proporção de médicos que se considera bem informada é superior (42.9% vs 28.95%) mas não há diferença estatisticamente significativa entre os dois grupos profissionais quanto ao facto de se sentirem ou não envolvidos nestas actividades e na importância que dão à formação nestes temas. Ao maior tempo de exercício profissional associou-se maior grau de informação e envolvimento: entre os que têm menos de 10 anos de exercício, apenas 1/3 se sente envolvido nesta actividade Para ambos os grupos o conhecimento dos elementos e das actividades da CHD são limitados, embora os mais jovens, com menos de 5 anos de tempo de exercício profissional, sejam os que mais desconhecem. Discussão e conclusão: Apesar dos esforços desenvolvidos pela CHD do HFF no sentido de divulgar e formar os profissionais de saúde sobre doação e transplante nos últimos 4 anos, o conhecimento global da sua actividade e o envolvimento que médicos e enfermeiros sentem em relação a ela está abaixo das expectativas. Os conhecimentos que os profissionais têm parecem ser adquiridos ao longo da sua vida profissional. A ausência de formação dos mais jovens é notória, o que leva a considerar a formação pré-graduada nestes grupos como uma mais valia para a divulgação e sensibilização sobre doação. Os resultados deste inquérito serão de grande importância para adequar os conteúdos e métodos de formação sobre doação e transplante aos profissionais de saúde do HFF.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/1155
Aparece nas colecções:CIR - Comunicações e Conferências
UCI - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CHD2.pdf757,4 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.