Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/1280
Título: Terapêutica nutricional no doente crítico: nutrição parentérica: avaliação e protocolo de actuação
Autor: Campos, PM
Palavras-chave: Nutrição parentérica
Cuidados intensivos
Data: 2013
Editora: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Resumo: A nutrição do doente hospitalizado exige, por parte da equipa de cuidados de saúde, uma avaliação e prescrição como qualquer outra terapêutica. O suporte nutricional instituído deverá proporcionar, para cada situação clínica, uma combinação adequada de nutrientes, de modo a evitar ou compensar as alterações metabólicas secundárias ao estado patológico. A situação clínica, as necessidades energéticas e a via de administração disponível, atendendo essencialmente à capacidade de utilização do tubo digestivo, são alguns dos aspectos a ter em consideração na altura de escolher o tipo de suporte nutricional a instituir. No doente critico, está demonstrado que o suporte nutricional influencia o prognóstico. Nesta população a nutrição por via oral, encontra-se frequentemente comprometida, habitualmente de uma forma transitória. O estado critico tende igualmente a acompanhar-se de anorexia, o que torna esta população especialmente vulnerável ao desenvolvimento de défices nutricionais graves com repercussão na composição tecidular e na função de órgãos vitais. Por este motivo a nutrição artificial constitui uma área importante na terapêutica do doente crítico. A nutrição artificial apresenta dois grandes pilares, a nutrição entérica e a nutrição parentérica. A nutrição parentérica (NP) consiste, na administração simultânea ou exclusiva por via intravenosa de macro (proteínas, hidratos de carbono e lípidos) e micronutrientes (oligoelementos e vitaminas), podendo ser administrada por via periférica ou central, de acordo com os objectos e a preparação escolhida. As necessidades nutricionais variam consoante a população, o estado nutricional basal e o nível de stress fisiológico, exigindo que se proceda à prescrição de NP de uma forma individualizada, com monitorização frequente. Actualmente existem a nível da indústria farmacêutica, várias formulações de composições variadas que garantem um aporte nutricional equilibrado de macronutrientes para adultos, algumas já suplementadas com electrólitos. A administração de fluídos e electrólitos deve contudo ser ajustada de acordo com a situação clínica, fazendo parte integrante do suporte nutricional a sua monitorização e correcção diárias, com o objectivo de manutenção da homeostasia. Diversas guidelines internacionais recomendam a aditivação diária e sistemática das misturas de macronutrientes e electrólitos com oligoelementos (micronutrientes inorgânicos essenciais) e vitaminas (micronutrientes orgânicos essenciais).
Descrição: Trabalho realizado no contexto do estágio de Cuidados Intensivos do Internato Médico Complementar, sob orientação de Alfredo Leite
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/1280
Aparece nas colecções:UCI - Outros documentos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pedro Campos-Protocolo Nutricao Parenterica.pdf763,51 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.