Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/1299
Título: Polissonografia na síndrome de apneia obstrutiva do sono em crianças com trissomia 21
Outros títulos: Polysomnography in children with trisomy 21 and obstructive sleep apnea syndrome
Autor: Marecos, C
Loureiro, HC
Cunha, M
Palavras-chave: Apneia obstrutiva do sono
Polissonografia
Síndrome de Down
Criança
Data: 2013
Editora: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Citação: Acta Pediatr Port 2013:44(4):167-71
Resumo: Introdução e objectivos: As crianças com trissomia 21 (T21) têm uma prevalência de 50% de síndrome de apneia obstru- tiva do sono (SAOS). Os sinais nem sempre são percepcio- nados pelos pais e o estudo polissonográfico do sono (PSG) não está generalizado. O objectivo foi avaliar a existência de SAOS em crianças com T21. Métodos: Amostra de conveniência de 12 crianças com T21 estudadas através da realização de PSG. Resultados: A idade mediana das crianças estudadas foi de 4,5 anos (1,6-13), com índice de massa corporal (IMC) ≥25 em 25% (n=3). Apresentavam défice cognitivo grave 25% (n=3), moderado 33% (n=4) e ligeiro 33% (n=4). Tiveram infecções respiratórias de repetição 42% (n=5) e efectuaram adenoamigdalectomia prévia à PSG 58% (n=7). Referido em consulta, sono agitado 83% (n=10), roncopatia nocturna 92% (n=11) e pausas na respiração 42% (n=5). Na PSG verificou - -se sono lento superficial aumentado em 83% (n=10), sono lento profundo diminuído em 33% (n=4) e em 92% (n=11) diminuição do sono REM. A média da eficiência do sono foi de 84% e em 42% (n=5) estava diminuída. Todos apresen- taram aumento do índice de apneia/hipopneia (IAH) sendo a média de 7,0 (2,5-18,7). As crianças com défice cognitivo grave apresentaram maior número de despertares por hora (DPH) em relação às crianças com défice cognitivo ligeiro (p=0,05), não havendo diferença significativa na eficiência do sono, IAH, movimentos periódicos do sono (MPS) e satura- ção média de oxigénio. Não se verificou associação entre IMC e IAH. A existência prévia de adenoidoamigdalectomia não influenciou significativamente o resultado da PSG. Conclusão: Conclui-se que nas crianças com T21 a PSG permite o diagnóstico atempado da SAOS. A adenoamig- dalectomia não resolve eficazmente a SAOS, devendo ser introduzidas precocemente outras medidas.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/1299
Aparece nas colecções:PED - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Acta Pediatr Port 2013;44(4) 167-71.pdf2,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.