Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/1446
Título: Ainda há lugar para a revascularização ultradistal na era endovascular? A propósito de 2 casos clínicos
Outros títulos: Can ultradistal revascularization procedures still find a place in an endovascular era? Regarding two case reports
Autor: Garrido, P
Pedro, L
Fernandes, R
Sousa, G
Pato, M
Silvestre, L
Fernandes, J
Palavras-chave: Isquémia
Membros inferiores
Procedimentos cirúrgicos vasculares
Data: 2014
Editora: Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular
Citação: Angiol Cir Vasc. 2014;10(4):180-185
Resumo: A cirurgia endovascular tem actualmente um papel preponderante no tratamento de doentes com isquemia crítica (IC) por doença do sector tíbio-peronial, reduzindo substancialmente o número de procedimentos de revascularização aberta. No entanto, quando não é possível a abordagem endovascular ou na sua falência e existindo um padrão apropriado, podemos considerar a cirurgia de bypass distal ou ultradistal como uma alternativa válida na salvação do membro em doentes seleccionados? Apresentam-se neste artigo os casos de 2 doentes com isquemia crítica em que, pela ineficácia ou falência do tratamento endovascular inicial, foi efectuada uma cirurgia de revascularização ultradistal com salvação do membro.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/1446
ISSN: 2183-0096
Versão do Editor: http://www.elsevier.pt/pt/revistas/angiologia-e-cirurgia-vascular-388/pdf/90379740/S300/
Aparece nas colecções:ORT - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Angiol Cir Vasc. 2014 10(4) 180-185.pdf1,46 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.