Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/1848
Título: Oclusão intestinal: uma causa rara na mulher jovem: caso clínico
Autor: Alexandrino, G
Carvalho, R
Lourenço, L
Sobrinho, C
Horta, D
Reis, J
Palavras-chave: Obstrução intestinal
Endometriose
Data: 2016
Editora: Sociedade Portuguesa de Coloproctologia
Citação: CONGRESSO NACIONAL DE COLOPROCTOLOGIA, 26, Figueira da Foz, 24 e 25 de Novembro de 2016
Resumo: Sexo feminino, 30 anos, sem antecedentes. Recorre à urgência por vómitos, paragem de emissão de gases e fezes, distensão abdominal e dor abdominal difusa tipo cólica. Observação: abdómen distendido, timpanizado, ligeiramente doloroso, sem defesa. PCR 0.51 mg/dL. Radiografia simples abdómen: distensão cólica e stop na transição reto-sigmoideia. TC abdominal: “espessamento parietal concêntrico na transição reto-sigmoideia com dilatação das ansas a montante. Ascite ligeira”. Submetida a laparotomia exploradora constatando-se processo inflamatório peri-uterino com envolvimento da parede anterior do reto. Fez-se resseção anterior do reto com anastomose primária e ileostomia de proteção. Anátomo-patologia: endometriose rectal e nodal, margens cirúrgicas livres. Três meses depois fez retossigmoidoscopia até anastomose, com mucosa intensamente edemaciada e hiperemiada, com estenose inultrapassável. RMN pélvica: “útero bicórneo, múltiplas áreas de endometriose superficial e profunda, uma delas em contacto com a vertente anterior do reto alto, sem nódulos volumosos na zona da anastomose”. Inicia tratamento com agonista LHRH durante 3 meses. RMN de reavaliação: “evolução favorável, redução dimensões dos focos de endometriose e franca redução do sinal, traduzindo evolução para fibrose”. Repete retossigmoidoscopia: melhoria da estenose, mas ainda infranqueável; dilatação endoscópica com balão TTS até 15 mm, seguida de cirurgia de reconstrução do trânsito. Após 3 meses doente assintomática. A endometriose intestinal é uma causa rara de oclusão intestinal. O envolvimento intestinal é a localização extra-pélvica mais comum da doença, com prevalência 5.3%-12%. O reto-sigmóide são as porções mais envolvidas (90%), mas o envolvimento transmural é raro. O diagnóstico pré-operatório é desafiante, com múltiplos diagnósticos diferenciais, nomeadamente neoplasia.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/1848
Aparece nas colecções:CIR - Comunicações e Conferências
GAS - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Poster Coloproctologia 2016 - endometriose intestinal.pdf762 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.