Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/24
Título: Infecção respiratória a Chlamydia pneumoniae
Autor: Correia, P
Brito, MJ
Neves, C
Ferreira, G
Machado, MC
Palavras-chave: Chlamydophila pneumoniae
Infecções bacterianas
Criança
Data: 2005
Editora: Ordem dos Médicos
Citação: Acta Med Port. 2005 Sep-Oct;18(5) 315-21
Relatório da Série N.º: 18;5
Resumo: Introdução: A Chlamydia pneumoniae é um microorganismo que habitualmente se associa a patologia respiratória. Estima-se que seja responsável por cinco a 15% das pneumonias da comunidade mas desconhece-se a sua incidência em crianças hospitalizadas por infecção respiratória. Objectivos: Caracterizar as formas de infecção respiratória por C. pneumoniae em crianças internadas. Doentes e Métodos: Estudo longitudinal retrospectivo das crianças com infecção respiratória a C. pneumoniae, internadas no Departamento de Pediatria do Hospital Fernando da Fonseca (Amadora/Sintra) de Janeiro de 1999 a Junho de 2001. Analisaram-se as variáveis: sexo, idade, raça, condições sócio-económicas, número de irmãos em idade escolar, frequência infantário/escola, hábitos tabágicos dos pais, atopia familiar, antecedentes pessoais, clínica, diagnóstico, terapêutica e evolução. Resultados: Registaram-se 55 casos, 60% do sexo masculino e 73% de raça branca. A idade variou 17 dias e 14 anos, com maior incidência abaixo dos cinco anos (60%). Vinte e três (42%) das crianças frequentavam o infantário e/ou escola e 12 (44%) tinham irmãos em idade escolar. Em 21 (38%) os pais tinham hábitos tabágicos e em 21 (38%) havia história familiar de atopia. Tinham antecedentes de atopia respiratória (6 doentes), refluxo gastro-esofágico (3), paralisia cerebral (1), fenda palatina (1) e de prematuridade (1). A apresentação clínica mais frequente foi a pneumonia 64% seguida de bronquiolite (20%). A clínica foi inespecífica, sendo a tosse (84%), a dificuldade respiratória (65%) e a febre (58%) os sinais mais frequentes. O padrão radiológico mais prevalente foi o intersticial (42%). Em cinco casos houve coinfecção com outros agentes infecciosos: S. pneumoniae (2), H. influenzae tipo b (1), P. aeruginosa (1) e tuberculose (1). Registaram-se complicações em 32 crianças (58%): hipoxémia (20), derrame pleural (8), atelectasia (2) e atelectasia e hipoxémia (2). Os macrólidos foram prescritos em 44% dos casos. Discussão: Este estudo chama a atenção para o facto da Chlamydia pneumoniae ser também um agente etiológico a considerar em crianças com infecção respiratória e com critérios de internamento. Esta infecção pode ocorrer em todos os grupos etários. Sendo a apresentação clínica inespecífica e podendo ocorrer complicações, é necessário um elevado índice de suspeição para o seu diagnóstico.
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/24
ISSN: 1646-0758
Aparece nas colecções:PED - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Acta Med Port. 2005 Sep-Oct 18(5) 315-21.pdf168,69 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.