Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/386
Título: Acompanhamento dos recém-nascidos de muito baixo peso em Portugal
Autor: Cunha, M
Cadete, A
Virella, D
Grupo do Registo Nacional de Muito Baixo Peso
Palavras-chave: Recém-nascido
Baixo peso ao nascer
Desenvolvimento infantil
Data: 2010
Editora: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Citação: Acta Pediatr Port 2010:41(4):155-61
Resumo: Contexto. O Registo Nacional do Recém-Nascido de Muito Baixo Peso (RNMBP) funciona em Portugal desde 1994; faz parte dos seus objectivos principais o registo da população sobrevivente dos RNMBP para avaliação prospectiva do neuro desenvolvimento e das sequelas. Objetivo. Determinar as características do acompanhamento do neurodesenvolvimento dos RNMBP em Portugal, em internamento e em ambulatório. Metodologia. Revisão sistemática dos artigos publicados em revistas médicas portuguesas sobre a evolução após alta de RNMBP e aplicação de um inquérito sobre o acompanha - mento do neurodesenvolvimento dos RNMBP às Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais portuguesas. Resultados. Das Unidades integradas no Registo Nacional de RNMBP, 38% referem possuir um programa de intervenção específico para este grupo durante o internamento. Em 25% dos casos, este programa integra apenas neonatologistas e enfermeiras. Após a alta, a totalidade dos RNMBP tem programado acompanhamento em consulta de desenvolvimento. Esta é realizada, na maioria dos casos, por neonatologistas e em 25% dos hospitais por equipas multidisciplinares que incluem, por ordem de frequência, Medicina Física e Reabilitação, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Fisiotera pia, Terapia da Fala, Terapia Ocupacional, Enfermagem, Psi co logia e Psico motricidade. A maioria das crianças é acompanhada até à idade escolar escolar (6-10 anos), mas algumas são-no apenas nos dois primeiros anos de vida, o que é nitidamente insuficiente. Em Portugal, apesar de não existirem publicados estudos de seguimento do RNMBP na idade escolar, os resultados apontam para a prematuridade como sendo causa de sequelas major como paralisia cerebral, mas também défice cognitivo, alterações neurossensoriais graves ou disfunções cerebrais minor como atraso da linguagem, défice de atenção e hiperactividade, alterações do comportamento e labilidade emocional. Estes problemas aumentam o risco de insucesso escolar e as necessidades de apoio de educação especial, persistindo até à idade adulta. Conclusões. É necessário estudar este grupo da população portuguesa de modo a organizar as estruturas da saúde, educação e sociais para poder dar resposta às necessidades especiais deste grupo de crianças.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/386
ISSN: 0301-147X
Aparece nas colecções:PED - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Acta Pediatr Port 201041(4)155-61.pdf219,34 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.