Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/457
Título: Cura cirúrgica de fístula recto-urinária iatrogénica – técnica de York- Mason
Outros títulos: Surgical treatment of iatrogenic recto-urinary fistula – York-Mason technique
Autor: Santos, P
Ferrito, F
Pires, F
Palavras-chave: Prostatectomia
Fístula rectal
Fístula urinária
Procedimentos cirúrgicos urológicos
Técnica de York-Mason
Data: 2011
Editora: Associação Portuguesa de Urologia
Citação: Acta Urol. 2011; 28(2): 21-26
Resumo: Introdução: A fístula recto-urinária de origem traumática ou cirúrgica, é uma complicação grave e desgastante, constituindo um desafio não só pela escolha da melhor técnica para a sua resolução como pelo receio de recorrência. A cura espontânea é rara. Material e métodos: Descreve-se a técnica de York-Mason aplicada ao caso clínico de um homem de 61 anos que ao 9º dia de pós-operatório de prostatectomia radical via laparoscópica (PRL) desenvolve um quadro de fecalúria e fezes líquidas. A presença de fístula recto-urinária foi confirmada ao 10º dia após realização de tomografia computorizada (TC) abdómino-pélvica e enema contrastado. Procedeu-se a laparotomia exploradora infra-umbilical para remoção do volumoso hematoma do espaço de Retzius, correcção da anastomose uretro-vesical e tentativa de encerramento directo da lesão da parede do recto. Apesar de ser ter completado a cirurgia com colostomia de derivação a fístula permaneceu. Três meses após procedeu-se ao encerramento definitivo da fístula. Resultados: Das várias vias de abordagem, optouse pela técnica de York-Mason, por ser simples de executar, eficaz e realizada com o mínimo de morbilidade. Trata-se de uma abordagem posterior, transesfincteriana e transrectal, efectuada sobre tecidos sãos, sem fenómenos cicatriciais prévios. O ângulo de abordagem permite uma boa visualização da zona da fístula. O pós-operatório decorreu sem intercorrências ou complicações e o doente teve alta ao 4º dia. O encerramento da fístula foi confirmado radiologicamente, através de cistografia retrógada ao fim de 4 semanas, possibilitando a remoção da drenagem vesical. A reconstrução do trânsito intestinal efectuou-se passado 2 meses. Conclusão: A técnica de York-Mason, uma abordagem transesfincteriana e transrectal posterior, revelou-se altamente eficaz e com morbilidade mínima na resolução da fístula recto-urinária, complicação cirúrgica rara da prostatectomia radical.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/457
ISSN: 2182-0341
Aparece nas colecções:URO - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Acta Urol. 2011, 28(2) 21-26.pdf182,34 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.