Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/584
Título: O valor científico das observações clínicas de Kraepelin para a investigação das perturbações do pensamento e linguagem na esquizofrenia
Autor: Figueira, ML
Palavras-chave: Esquizofrenia
Data: 2005
Editora: Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Citação: Psilogos.2005; 2(1): 39-52
Resumo: Nos finais do séc. XIX e início do séc. XX deram-se importantes modificações no paradigma moral que dominava a Psiquiatria. No movimento que se opõe a uma visão romântica e normativa dos comportamentos e intenções o primado da observação e descrição impõe-se como o método clínico por excelência, organizador do conhecimento e da investigação. Kraepelin é uma figura que emerge com uma obra monumental, o seu Tratado de Psiquiatria, com várias edições, com sucessivas reformulações à medida dos resultados que ia obtendo. Comparar a obra de Kraepelin – ou outro autor do mesmo período – com os trabalhos posteriores sobre o pensamento e a linguagem na esquizofrenia, seria um contrasenso se pretendêssemos reduzir um método que é essencialmente clínico a um paradigma experimental que passou a dominar as investigações nesta área. O objectivo desde artigo é tão somente ilustrar as relações entre descrições de índole clínica e hipóteses ou constructos que delas poderiam ter derivado. A descrição revela-se como uma exploração da realidade psicopatológica, neste caso sistemática, e é uma fonte importante de instituições científicas. Foi o que aconteceu com a obra de Kraepelin, Bleuber e muitos outros, de cuja leitura poderemos extrapolar as ideias para conhecimentos posteriormente produzidos em contexto laboratorial. Em particular iremos rever alguns dados de investigação sobre o pensamento e a linguagem na esquizofrenia feitos entre os anos 60 e 80, período extremamente infrutífero no plano científico desta área do conhecimento, actualmente quase ausente da literatura. De facto, a literatura actual das perturbações do pensamento na esquizofrenia utiliza, de forma predominante, o paradigma neuro-psicológico com a utilização de baterias de testes para avaliação de défices cognitivos. Esta perspectiva, tem tido importância para o desenvolvimento de indicadores de resposta com terapêuticas psicofarmacológicas, ou para o estabelecimento de programas de reabilitação, mas que não tem a riqueza de toda a produção científica feita no período mencionado. Escolhemos alguns aspectos parcelares do funcionamento cognitivo para ilustrar a influência de textos como o de Kraepelin em estudos subsequentes.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/584
ISSN: 2182-3146
Aparece nas colecções:Psilogos Vol.02 Nº1 (Jul 2005)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Figueira, 39-52.pdf263,32 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.