Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/722
Título: Torção aguda do cordão espermático: factor de risco para anticorpos anti-espermatozóides?
Autor: Graça, B
Coelho, M
Franco, M
Palavras-chave: Testicular torsion
Antisperm antibodies
Data: 2009
Editora: Associação Portuguesa de Urologia
Citação: Acta Urol. 2009; 26(4): 9-14
Resumo: A torção aguda do cordão espermático é uma urgência urológica dada a isquémia testicular acompanhante, podendo mesmo levar à necrose testicular se não resolvida atempadamente. A correcção cirúrgica passa pela destorção do cordão espermático atingido e orquidopexia bilateral ou, na presença de torção com isquémia testicular irreversível, pela orquidectomia e orquidopexia contralateral. As eventuais sequelas desta entidade clínica independentemente da cirurgia efectuada, passam por alterações quantitativas e/ou qualitativas do espermograma com repercussão ainda mal esclarecidaemtermos de fertilidade masculina. Caracterizámos os valores de testosterona total, espermograma e a presença sérica de anticorpos anti-espermatozóides (AAE) em 9 doentes com torção aguda unilateral do cordão espermático de modo a caracterizar a sua prevalência nesta amostra comparando os resultados com grupo controlo de 15 indivíduos. Todos os doentes obtiveram valores normais de testosterona total sérica. Cinco doentes não apresentaram AAE, representando 55,6% da amostra e quatro doentes apresentaram AAE, representando 44,4% da amostra. O tempo médio entre a cirurgia e a pesquisa de anticorpos foi de 23,75 meses (6-66) para doentes com AAE positivos e 37,2 meses (10-48) para doentes com AAE negativos. O espermograma revelou-se normal em todos os parâmetros avaliados em apenas três doentes (um com AAE e dois semAAE) e anormal em seis doentes (três com AAE e três sem AAE). Os dois doentes com concentrações mais baixas de espermatozóides apresentavam AAE. Os 15 indivíduos do grupo de controlo não apresentaram AAE. O nosso estudo aponta a torção do cordão espermático como factor de risco para a presença de AAE e para alterações do espermograma, independentemente da presença de AAE e da correcção cirúrgica efectuada.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/722
ISSN: 2182-0341
Aparece nas colecções:URO - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Acta Urológica 2009, 26, 4, 9-14.pdf176,45 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.