Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.10/740
Título: Palivizumab em contexto domiciliário
Autor: Cunha, A
Amaral, J
Costa, M
Lopez, M
Palavras-chave: Cuidados perinatais
Cuidados domiciliários
Vacinação
Data: 2012
Editora: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Citação: DIA MUNDIAL DA PREVENÇÃO: Vacinas, Amadora, 30 de Março de 2012
Resumo: O Departamento de Pediatria, nomeadamente a UCIENP, através do Projeto de Apoio Domiciliário ao Recém-Nascido internado na UCIEN, formou em 2009, uma equipa multidisciplinar de apoio domiciliário, em parceria com a Fundação do Gil, procurando contribuir para a melhoria na qualidade de vida da criança e sua família. Um dos objetivos específicos deste projeto é a administração de terapêutica no domicílio e, neste contexto, surgiu a administração do anticorpo mononuclonal antivírus sincicial respiratório - Palivizumab. O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é a principal causa de infeção respiratória, durante os primeiros dois anos de vida. Os RN prematuros com idade gestacional ≤ 35 semanas, com ou sem Displasia Broncopulmonar (DBP) e crianças com Cardiopatia congénita grave, são uma população de risco para este tipo de infeção, com possíveis complicações e reinternamentos ao longo do Inverno. A administração desta imunoprofilaxia em contexto domiciliar, permite individualizar cuidados ao Recém-nascido (RN) /Família, diminuir o seu número de vindas ao hospital e prevenir em simultâneo o risco desta infeção respiratória, para além de reduzir o stress e o absentismo laboral dos pais, traduzindo-se em ganhos para a saúde. Este trabalho pretende dar a conhecer o Projeto de Apoio Domiciliário ao Recém-Nascido internado na UCIEN, que deu origem a esta actividade- Administração da Palivizumab em Contexto Domiciliário. Serão abordados aspectos como os critérios de inclusão para a administração do Palivizumab em contexto domiciliário, a descrição do planeamento elaborado para todo o processo, a identificação da população alvo, a análise das doses administradas e meninos vacinados, os dias consumidos, bem como as dificuldades sentidas e projectos futuros. No início deste projeto foram muitas as dúvidas e as questões levantadas acerca da sua exequibilidade, nomeadamente o custo elevado do fármaco, o seu curto tempo de estabilidade após diluição e o risco de desperdício associado a um projecto desta natureza. No entanto, acreditamos que não existem grandes diferenças no desperdício das ampolas administradas individualmente e com diferentes localizações geográficas às crianças visitadas pela UMAD, relativamente ao grupo total e em permanência do H. Dia, nem maiores custos associados a recursos humanos ou materiais Acreditamos sim que, a administração do Palivizumab em contexto domiciliar traduz-se em ganhos para a saúde, pela diminuição do número de vindas ao hospital e prevenção do risco desta infeção respiratória.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.10/740
Aparece nas colecções:PED - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Apresentação dia da prevenção.pdf1,75 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.